quinta-feira, 19 de junho de 2014

UMA SAUDADE CHAMADA CATALÔNIA

Uma das primeiras coisas que faço, sempre que vou a São Paulo, é visitar uma feira livre. Isso por duas razões: comer o pastel de feira no local legítimo e procurar por uma verdura que, não sei por que razão, só encontro em São Paulo: a catalônia.
Nessa última viagem não foi diferente. Comprei um maço enorme, já que o Sérgio, meu companheiro de viagens turístico-degustativas, também queria provar, pois não conhecia.
O ser humano é mesmo um bicho engraçado. Não consegue fazer nada sem apelar a elucubrações mentais e analogias entre presente, futuro e, principalmente, passado. Comigo não foi diferente.
Enquanto lavava e cortava as folhas da dita verdura, lembrei-me de minha mãe fazendo o mesmo processo há muitos anos atrás.
Como a catalônia é uma verdura amarga, a maior parte dos meus irmãos (e somos muitos!) a detestava, mas eu sempre adorei e minha mãe sabia disso. Era outro dos seus carinhos comigo. Cada vez que a visitava ela fazia questão de preparar catalônia e outras coisinhas mais.
Foi quando começava a aferventar a verdura, já picadinha, é que me toquei de uma coisa: na vida só comi catalônia preparada por mim ou por minha mãe, e esse laço voltou a se estreitar naquele momento. Me dei conta de que nenhum outro alimento me unia tanto à memória da dona Rosa ( que já vive na dimensão dos anjos há alguns anos) quanto a catalônia. Nenhum outro prato tem o sabor amargo (nem por isso menos saboroso), quanto a saudade que sinto daquela que me gerou, embalou, criou e protegeu durante tantos e tantos anos. E nenhum sabor é tão amargo que possa fazer com que deixe de sentir saudades daqueles que amo.
Não senti a mão etérea da dona Rosa mexendo a panela comigo, nem senti seu beijo de lábios finos no rosto, mas olhei para o teto do apartamento e imaginei ali um céu de concreto de onde ela pudesse estar me observando, bem de perto, e fiscalizando para saber se eu tinha aprendido direitinho como se prepara a catalônia.
Depois de conter as lágrimas acabei de cozinhar...

Um comentário:

Fátima Abrahão disse...

E ficou bom? Queria provar...

Total de visualizações de página