segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

VITUS, ERICA E O TIO-AVÔ CORUJA


POBRE RIMA


A espuma do mar
Se esfuma na areia.
Não a fecunda,
Simplesmente mareia.

A luz do luar
Que ilumina minh’aldeia
Não purifica pecados,
Somente clareia.

Qualquer vagabundo,
Qualquer errante
Poderá se banhar
Nas águas desse mar
Ou na luz desse luar.
Mas não há poeta no mundo,
Por melhor que seja,
Que possa construir uma rima mais bela
Que a espuma do mar
Que se esfuma na areia
E a luz do luar
Que ilumina a minh’aldeia...

Um comentário:

Alex Lyra disse...

Mariozinho,

Muito bonita a poesia...até me fez lembrar os dias em que cada manha ou tarde passeava sem rumo pela areia de Copacabana. Que saudade!

Total de visualizações de página